Pesquisar este blog

sábado, 26 de dezembro de 2015

Leitura dramatizada do texto A Última Noite de Kafka


Dia 11 de janeiro de 2016 (segunda), 20h, R$ 5 (preço único promocional)
Teatro Hermilo Borba Filho
Duração: 50 minutos
Classificação etária: a partir de 12 anos


Manoel Constantino e Moisés Monteiro de Melo Neto

A tuberculose laríngea que afligia Kafka piorou e, em março de 1924, seus  familiares tomaram conta dele. Em 10 de abril, o escritor foi para um sanatório perto de Viena. É justamente neste ponto que o dramaturgo Cláudio Aguiar o flagra num delírio onde mistura sua vida e obra. 

Banner de 

A Última Noite de Kafka


Manoel Constantino, Moisés Monteiro de Melo Neto e 

Cláudio Aguiar (autor), após apresentação de A Última Noite de Kafka



Jornal do Commercio, Recife, comenta 

A Última Noite de Kafka


Manoel Constantino, Moisés Monteiro de Melo Neto,
Cláudio Aguiar (autor) e José Francisco Filho (diretor de A Última Noite de Kafka)



Manoel Constantino e Moisés Monteiro de Melo Neto,
(em A Última Noite de Kafka, no Pen Clube, Rio de Janeiro)



A causa da sua morte aparentemente foi fome: a condição da garganta de Kafka fez com que comer se tornasse uma atividade muito dolorosa para ele. Não havia meios de alimentá-lo. Naquele momento, ele estava editando Um Artista da Fome, no seu leito de morte, conto cuja composição tinha sido iniciada antes da sua garganta se fechar ao ponto dele não mais poder se alimentar. Quase desconhecido em vida, pois não considerava a fama importante, tornou-se famoso logo morrer. 

Capa do livro contendo obra teatral completa de Cláudio Aguiar




Jomard Muniz de Britto, Célia Salsa e Roberto Machado, dia 24 de setembro de 2015, às 19:30, no Teatro Hermilo Borba Filho, Recife, A última noite de Kafka, peça do renomado escritor cearense, radicado no recife e atualmente residindo no Rio de Janeiro,  Cláudio Aguiar, inédita nos palcos do Brasil, teve uma leitura dramatizada com direção do veterano José Francisco Filho,  professor da UFPE, com Moisés Monteiro de Melo Neto e Manoel Constantino, estes dois últimos com uma longa história de serviços prestados ao Teatro no Recife.Kafka, autor de A Metamorfose, O Processo e O Castelo, dentre outros títulos, é um dos mais importantes autores da literatura ocidental. Sua ideia de sujeito fragmentado influenciou muitos autores. 



O texto de Cláudio Aguiar foi todo escrito em versos e contém referências à cultura judaica, à cidade de Praga e a um ser da mitologia, muito explorado pelos habitantes da cidade tcheca: o Golem. Houve coquetel e o autor estará presente ao evento que também contará com o lançamento do exemplar contendo toda a obra teatral de Cláudio Aguiar. (os livros foram distribuídos gratuitamente). Figuras muito importantes da cultura brasileira vieram ao Recife especialmente para este evento.



Franz Kafka é um dos mais importantes autores da literatura ocidental. Seu trabalho reflete a fragmentação do sujeito e a complexidade do ser. Esta leitura dramatizada de texto inédito de Cláudio Aguiar (escrito em versos) já foi apreciada no Recife, no Teatro Hermilo Borba Filho, e cumpriu pequena temporada no auditório do Pen Club (Associação Internacional de Escritores), na Praia do Flamengo, Rio de Janeiro, em 2015.
Texto: Cláudio Aguiar (vencedor do Prêmio Jabuti 2015)
Direção: José Francisco Filho
Iluminação: Ibson Quirino
Sonoplastia: Sérgio Veloso
Voz: João Natureza
Elenco: Manoel Constantino e Moisés Monteiro de Melo Neto

Nenhum comentário:

Postar um comentário