Pesquisar este blog

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Ney Matogrosso diz que ser gay não é tão importante

Hilária a entrevista de Ney Matogrosso , hoje no jornal Folha de São Paulo.
Esquerda, direita volver!
Voam no pau: Renato Russo, o desejo de gravar Roberto Carlos, o jogo imbecil dos defensores das "minorias"  (tipo FHC)
E muito mais, por exemplo ele toma uma colher de santo daime de vez em quando.
Sobre os novinhos que expõem suas ideias sobre sexualidade diferente, ele excluiu Johnny Hooker.
E disse que não curte muito o tipo de homenagem que a crítica vai fazer a ele no Rio de Janeiro, hoje à noite.
Risos e sisos.

Tizuca Yamazaqui e Cláudio Assis num self service do Recife, no intervalo das filmagens sobre a recolução de 1817

Hoje fui surpreendido na hora do almoço, enquanto saboreava meu filé de surubim grelhado: primeiro entrou a diretora DE CINEMA Tizuca Yamazaqui (do filme Lua de Cristal, com Xuxa), com aquele olhar míope dela, procurando uma mesinha; depois Cláudio Assis, com seu copo de cerveja na mão e reclamando muito sobre não assumir erros dos outros (não sentou á mesa da diretora, não comeu nada e saiu arrastado por uma mulher da turma do "deixa disso"). Foi ali, no self service quase em frente ao instituto arqueológico histórico e geográfico de Pernambuco; depois entrou o resto do "pessoal de cinema", com os seus pratos piramidais. Quando entrei a moça que fica na porta me perguntou "Você é do pessoal de teatro?". KKKKKKKKKk. Ah, Pernambuco (Recife) das "re voluções" "libertárias"! Depois eu conto o que respondi a ela...

terça-feira, 18 de julho de 2017

Poemas de Thiago de Mello

Para os que Virão
Como sei pouco, e sou pouco,
faço o pouco que me cabe
me dando inteiro.
Sabendo que não vou ver
o homem que quero ser.

Já sofri o suficiente
para não enganar a ninguém:
principalmente aos que sofrem
na própria vida, a garra
da opressão, e nem sabem.

Não tenho o sol escondido
no meu bolso de palavras.
Sou simplesmente um homem
para quem já a primeira
e desolada pessoa
do singular - foi deixando,
devagar, sofridamente
de ser, para transformar-se
- muito mais sofridamente -
na primeira e profunda pessoa
do plural.

Não importa que doa: é tempo
de avançar de mão dada
com quem vai no mesmo rumo,
mesmo que longe ainda esteja
de aprender a conjugar
o verbo amar.

É tempo sobretudo
de deixar de ser apenas
a solitária vanguarda
de nós mesmos.
Se trata de ir ao encontro.
(Dura no peito, arde a límpida
verdade dos nossos erros.)
Se trata de abrir o rumo.

Os que virão, serão povo,
e saber serão, lutando.


As Ensinanças da Dúvida

Tive um chão (mas já faz tempo)
todo feito de certezas
tão duras como lajedos.

Agora (o tempo é que fez)
tenho um caminho de barro
umedecido de dúvidas.

Mas nele (devagar vou)
me cresce funda a certeza
de que vale a pena o amor.
Thiago de Mello


Arte de Amar

Não faço poemas como quem chora,
nem faço versos como quem morre.
Quem teve esse gosto foi o bardo Bandeira
quando muito moço; achava que tinha
os dias contados pela tísica
e até se acanhava de namorar.
Faço poemas como quem faz amor.
É a mesma luta suave e desvairada
enquanto a rosa orvalhada
se vai entreabrindo devagar.
A gente nem se dá conta, até acha bom,
o imenso trabalho que amor dá para fazer.

Perdão, amor não se faz.
Quando muito, se desfaz.
Fazer amor é um dizer
(a metáfora é falaz)
de quem pretende vestir
com roupa austera a beleza
do corpo da primavera.
O verbo exato é foder.
A palavra fica nua
para todo mundo ver
o corpo amante cantando
a glória do seu poder.




Moisés Monteiro de Melo Neto e o poeta amazonense Thiago de Mello

Bernardo Carvalho, um escritor que é pura madeira de lei

por Moisés Monteiro de Melo Neto 

Moisés Monteiro de Melo Neto com o escritor Bernardo Carvalho


O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, certo deslocamento que impossibilita ao mesmo tempo integração e reconhecimento, ver as coisas de fora. São Paulo é sua terra estrangeira dentro do Brasil, seu estranhamento e, em O sol se põe em São Paulo, o narrador-protagonista (publicitário, neto de japoneses imigrantes) encontra-se com a dona de um restaurante japonês, Setsuko (80 anos). Instalam ali mesmo um terceiro espaço, cheio de identidades trocadas: ela lhe conta para que ele escreva, e fazemos assim a viagem com eles a um Japão reinventado: “Ela vinha de Osaka, o berço da Yakuza. No fundo, sou um moralista. O mundo está cheio deles. É um azar quando se tornam escritores. Estão sempre prontos a dar opinião sobre tudo.”(p.16) Ele critica a opção da irmã, que migrou para o Japão, em busca de emprego. O jogo metalinguístico é óbvio, as frases curtas nos remetem ao narrador que retornara àquele restaurante depois de 10 anos. Este narrador está desempregado e descasado; é descendente de japoneses; sua irmã foi morar no Japão – ele não fala muito sobre as duas. É a inquietação de um eu em passagem, há também o triângulo amoroso que nos remete ao passado, no Japão, depois da guerra. E os personagens nesse entre-lugar tentam reconstruir suas identidades. Pós-moderno? Avesso dos estrangeiros no Brasil? Parecem inúteis tais classificações aqui, onde as informações históricas, geográficas mesclam-se em tom agressivo: “depois de me foder por nada, trabalhando como redator de comerciais de uma agência de publicidade...”. Parece Dashiell Hammet. Pressentimos o Noir. O pôr-do-sol em São Paulo pode ser belo na poluição e Setsuko, voz dupla com o narrador, vem da terra do sol nascente, que vem se pôr em São Paulo. São universos paralelos, sutilmente contraditórios: nissei (americano filho de japonês), sansei (neto). Da Ásia, da América do Sul, fugindo da miséria, da opressão, do nada e seguindo um sonho. E o narrador escuta as histórias como se tudo estivesse na sombra no restaurante Seiyoken. Sakê, cerveja, o apagar das luzes, perguntas, códigos: estrada de palavras. Fecha-se a trilogia ''Nove noites'' (2002) e ''Mongólia'' (2003) são fronteiras apagadas, Setsuko foi jovem de família respeitada, conhecemos através dela o filho de um industrial e um ator de kyogen, o teatro cômico local. Tudo parece um outro lugar, a ambiguidade, a entrega, as imposturas, angústia, a literatura como dissimulação... O sol se põe em São Paulo foi reescrito 20 vezes. Temos nele a metalinguagem . É um livro que trata de literatura japonesa, cuja sociedade não preza a individualidade, não preza o estilo individual - a ruptura não faz parte da tradição cultural. Carvalho faz parte de uma vertente da literatura brasileira a partir dos anos 80: Caio Fernando Abreu, João Gilberto Noll e Chico Buarque. O jogo e a história em dubiedade: toda parte, lugar nenhum. A desconfiança, a relação com o passado, com o conhecer-se, qual Édipo. Em “O sol se põe...”, há ainda a história contada pelo homem com o lábio leporino que vamos conhecer no final da obra. Paira sobre tudo a desconfiança em relação a uma verdade histórica. Há muitos microrelatos, vestígios, alguns enganosos. É literatura falando de si em processo metaficcional historiográfico, o errante e sua relação com as coisas. Instabilidade, o desconhecido, projetos da existência e da experiência subjetiva: problematizações, desconstruções, como em O sol se põe em São Paulo, a construção do personagem principal, ambígua: “Voltar ao Japão como operário (apesar de nunca ter posto os pés lá antes) seria perpetuar o fracasso e o erro, a fuga apenas nos afundava ainda mais no inferno. A literatura podia ser a minha miragem, mas pelo menos era uma forma de abraçar o inferno como pátria. No fundo, era nisso que eu acreditava.” (CARVALHO, 2007, p. 20) Carvalho ressalta: “A literatura que serve para alguma coisa é a que o mercado quer. Se vivêssemos na Idade Média, a literatura serviria para a Igreja. Se vivêssemos num país comunista, faríamos literatura oficial. Não servir para nada é um negócio radical e muito importante; permite que se faça uma literatura de ruptura, que não obedece a demandas preexistentes. Não é o novo pelo novo. Não é isso. É criar um mundo que ainda não existe. Criar uma vontade nas pessoas que elas ainda não têm (romance de demanda). Isso é genial. É uma oferta para ver se germina. É lógico que eu acho que a literatura serve para alguma coisa. Mas preciso manter esta ideia, porque é uma ideia política, de resistência: literatura não serve para nada mesmo. Mas eu vou continuar fazendo. A ilusão de que não tem função é super-importante. Para mim, é fundamental; me dá um alento; me deixa respirar. Para o tipo de literatura que eu faço, há cada vez menos espaço. A maioria dos escritores é composta por ingleses e americanos. Passei dois meses convivendo com alguns escritores anglo-saxões e me dei conta de que a importância do mercado é um negócio chocante. Esses escritores só funcionam em função do mercado porque se você for um escritor nos Estados Unidos e na Inglaterra e não funcionar no mercado, você não existe. Para mim, fazer literatura com essa preocupação é algo muito sem graça.” A literatura no Brasil, país de analfabetos, onde o texto faz parte apenas de uma cultura de classe média ou de uma elite grosseira, iletrada, ignorante, que cultiva e reproduz a ignorância para os seus filhos: a arte que Carvalho defende não funciona na sociedade, não tem função, entra em desacordo - não tem lugar no Brasil. Trata-se de um tipo de literatura que tem importância mas ele diz não ter nenhuma consequência social. Uma literatura que pode ser de resistência, a ideia de que a literatura não serve para nada surgiu na modernidade, e ele a considera importante. É uma ideia política. É essa ideia que faria a literatura de verdade sobreviver. É uma literatura que se quer militante contra a perda do interesse dos leitores pela ficção na literatura. “Parte do livro pode ser lida como um pastiche dos romances do Tanizaki, narrado por uma das personagens principais. O Japão produziu grandes escritores no século XX. E isso em termos absolutos, mundiais. No caso desse romance, o que me interessava era o deslocamento do qual eu vinha falando, o Japão no Brasil e o Brasil no Japão, as coisas fora do lugar. E o curto-circuito que a inadequação e o estranhamento podem provocar na criação de outros pontos de vista, de outras maneiras de ver. Há uma frase no final do livro que resume esse sentimento e essa vontade: o oposto é o que mais se parece conosco”. “Uma professora universitária escreveu um ensaio longuíssimo sobre Nove noites, dizendo que o personagem era um gay enrustido. E como o romance seria autobiográfico, só podia ser eu o gay enrustido. Então, com O sol se põe em São Paulo, eu queria fazer um livro que essa professora não descobrisse que o gay enrustido era eu. Até agora ela não descobriu. Se eu trato de gay enrustido, é porque isso me interessa, mas aquele não sou eu.” Bernardo lembra Beckett e escreve algo dissonante, novo e inovador que demanda força de vida, um mundo sombrio, Sade também: vozes dissonantes, incompatíveis com seu tempo. Forte, paradoxal. Uma celebração do humano. Ele faz o elogio da ficção e propõe uma formulação que não é simples ao ver “a imaginação como elemento constitutivo da realidade e não um artigo supérfluo”. É parte da tendência da literatura brasileira contemporânea ao realismo e ao documental, uma tendência natural. Quanto maior a violência dessa realidade, mais ela vai impor uma representação unívoca, mais ela vai reduzir as possibilidades de representação. A questão não é representar ou deixar de representar a realidade (até porque, de alguma forma, ela sempre acaba representada), mas não sucumbir a uma determinada ideia de representação da realidade como modelo e paradigma. A imaginação é um elemento complexo da realidade. A literatura e a arte cessam quando você passa a aceitar modelos para a criação. Os seus livros explicitam a manipulação do leitor até quase o grotesco. É muito visível. Mas o que o romance faz é manipular o leitor e fazer com que ele participe? Carvalho polemiza: “Guimarães Rosa, que eu considero um gênio. Há três traduções no mundo do Rosa: duas boas (Itália e Alemanha) e uma na França (mais ou menos). Mas se perguntar para um alemão, italiano ou francês quem é Guimarães Rosa, ninguém sabe. Nos Estados Unidos, Grande Sertão foi traduzido como bangue-bangue. Este jornalista nunca ouviu falar em Guimarães Rosa. É triste: você pode ser um gênio da literatura, pode fazer uma obra incontestável, e mesmo assim não vai ter lugar para você. No cânone internacional, ocidental, não tem lugar para o brasileiro, pode ser o maior gênio da raça. Você fica babando ovo para escritor inglês e americano (há alguns geniais), mas não tem a contrapartida. Ninguém vai ler escritor brasileiro. E não é escritor pequenininho como eu, é Guimarães Rosa. Ninguém sabe quem é Guimarães Rosa e nem quer saber. A cultura brasileira é samba, futebol e música popular. Não é alta cultura. O Brasil tem a oferecer cultura popular, futebol e administração da miséria. Não sei como lidar com isso. Eu sou um pouco paranóico. Mas se pode ver a paranoia como a criação do sentido. Se o mundo não faz sentido - e não faz -, o paranóico é que aquele que vê sentido onde não tem. O mundo não faz sentido, a vida não tem sentido, não faz sentido eu estar vivo. A paranoia me atraía como uma matriz de sentido, uma matriz desvairada. A ideia da paranoia me atraía como ficção, como produção de ficção.Eu escrevo os romances que eu gostaria de ler. É importante que o leitor participe de forma ativa da leitura, que seja empurrado para dentro do texto não de maneira meramente passiva, queria deixar isso claro. Então, o jogo em meus livros é importante. Tem a função de cooptar o leitor, de fazê-lo ter uma participação ativa no livro”

sábado, 15 de julho de 2017

A prosa romântica brasileira e a Identidade forjada às pressas para uma pátria acéfala

Do Romantismo Brasileiro

Prof. Moisés Monteiro de Melo Neto





“Além da Terra, além do céu,
no trampolim do sem – fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
Vamos!
Vamos conjugar
o verbo fundamental essencial
o verbo transcendental, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.
(Carlos Drummond de Andrade)



                O romance como gênero romântico torna-se comum no Brasil a partir da publicação em jornais (FOLHETINS) de traduções de romances europeus. Romances românticos de autores como Vitor Hugo, Alexandre Dumas, Walter Scott tornam-se populares no Brasil da 1ª metade do século XIX. Na verdade, temos o romance romântico europeu mais o cenário brasileiro. Todo relato possibilitou ao leitor uma identificação.

O romance de folhetim era publicado regularmente pela imprensa. As aventuras, as intrigas, as histórias de amores impossíveis, a complicação sentimental eram seus temas. Depois estas histórias passaram a ser divulgadas pelo rádio. A base das histórias dos romances românticos será o AMOR, daí esperarmos os finais felizes tão típico do gênero nesta época. Os que amam são os heróis da histórias: fortes, destemidos, belos, os que estão do lado do bem. Os que não amam são feios, cruéis, os que estão do lado do mal – Eis o universo maniqueísta da prosa romântica.

Foi com os folhetins que a ficção novelística ganhou força e foi assim também que o teatro se firmou.

Os leitores começam a se identificar com os personagens e passam a exigir intrigas, situações cada vez mais fortes, mais novelescas: os valores pessoais, o desempenho dos heróis, amor à primeira vista, a supervalorização do casamento vêm à tona. É assim que o ROMANCE, a NOVELA e o CONTO vão ganhando espaço.

O romance vai aos poucos se ampliando e refinando. Em fins do decênio de 30 (1830) surgem novelas. Em 1843 aparece O filho do Pescador de Teixeira e Souza (romance), mas foi Joaquim Manuel de Macedo quem criou o primeiro romance (1844): A MORENINHA, nele explodem os traços mais comuns do gênero:


         os costumes e a cor local (natureza virgem, solo esplêndido, o índio).
         complicação sentimental (herói, vilão, orgulho...)
         personagens planas, estereotipadas, com comportamentos previsíveis.
         integração entre a Natureza e os sentimentos dos personagens.
         idealização do herói.
         idealização da mulher (anjo).
         linguagem metafórica.
         final feliz ou trágico (morte, loucura, celibato).
         Esquema: harmonia – desarmonia – harmonia.
         Enredo com mensagem conservadora.
         Amor como redenção.




A prosa romântica e as grandes

tendências

a)       Romance urbano – retratam-se cenas, costumes, ambientes e tipos humanos da burguesia.
b)       Romance histórico – Trabalha-se o passado histórico remoto ou lendário.
c)       Romance regionalista – o Brasil passa a se conhecer melhor em suas diversidades regionais. Valorizaram-se as diferenças étnicas, linguísticas, sociais e culturais que evidenciam a região. Visa-se a pôr fim às ilhas culturais brasileiras. O nativismo e o ufanismo ganham relevo com Alencar, Bernardo Guimarães; o aspecto documental aparece com Taunay e Franklin Távora.
d)       Romance Indianista – Tende à epopeia, ou seja, à necessidade de criação de heróis nacionais, míticos, lendários. Estes heróis tornam-se símbolos da nacionalidade. (Veja Peri, Iracema).

Vale destacar que “Quanto à matéria, o romance brasileiro nasceu regionalista e de costumes; ou melhor, pendeu para a descrição de tipos humanos e de formas de vida social nas cidades e nos campos”.
Os romances foram classificados pelo espaço em que se desenvolveu a narrativa:
cidade – vida urbana
campo – vida rural
selva – vida primitiva

 

 

Autores e Obras



2.1 Joaquim Manuel de Macedo

       2.1.1 Obra

A – Ficção

A Moreninha (1844); O moço Loiro (1845); Os dois amores; Rosa; Vicentina; O Forasteiro; Os Romances da Semana (contos); A Luneta Mágica; O Rio do Quarto, Nina; As Vítimas Algozes (novelas); As Mulheres de Mantilha; A Namoradeira; Um Noivo e Duas Noiva (1871) etc.

B – Teatro

O Cego; Cobé; O Fantasma Branco; O Primo da Califórnia; Lusbela; Cincinato Quebra-louça; Vingança por vingança; etc.

C – Poesia

A Nebulosa, poema-romano (1957).

 

D – Vários

O Carteiro de meu Tio; Memórias de um Sobrinho de meu Tio; Um Passeio pela Cidade do Rio de Janeiro; Memória do Ouvidor.
José Martiniano de Alencar (Mecejane, CE, 1829-RJ, 1877)



Principais Prosadores
 *José de Alencar (O Consolidador do Romance)


Tentou criar uma linguagem brasileira (estilo brasileiro), incorporou nos textos indianistas o vocabulário dos selvagens, usou de brasileirismo. Em Iracema aproximou a linguagem da prosa à da poesia.
Suas longas narrativa são ricas em adjetivos. Defendeu o surgimento de um novo povo fruto do casamento entre o nativo e o colonizador (europeu). Procurou, em seus romances, fazer um painel do Brasil.
Outro aspecto marcante em seus textos é o “medievalismo”, a construção da sociedade ideal “para o senhor tudo”.
Alencar visou a acabar com as ilhas culturais, pintar o Brasil de ponta-a-ponta, daí a diversidade de tipos de romance.

Divisão da obra alencariana

a)       O romance indianista: O Guarani, Iracema – impregnação lírica.
Esse romance de caráter lírico poemático, aproveita o mito e o símbolo como elemento estético.

b)    Como romancista histórico: As Minas de Prata, A Guerra dos Mascates, O Garatuja, Alfarrábios.

        O mito do tesouro escondido, a lenda das riquezas inesgotáveis da nova terra descoberta, as lutas pela posse definitiva da terra e alargamento das fronteiras.

c)     No romance urbano: Cinco Minutos, A Viuvinha, Lucíola, Diva, a Pata da Gazela, Sonhos d’Ouro, Senhora, Encarnação.

Alencar retrata a vida carioca, com sua gente e costumes. Dramas morais, tipos femininos complicados, problemas de amor e do casamento com o patriarcalismo determinando as uniões dos filhos- são outros tantos temas para as novelas de Alencar, que nelas realiza considerável levantamento da vida burguesa brasileira do seu tempo. Em Lucíola e Senhora, Já se notam prenúncios Realismo.

d)    No romance regionalista

Aí está um dos aspectos mais admiráveis do autor: dá-nos um painel das principais regiões culturais do País: a região sulina, com seus pampas e suas coxilhas (O Gaúcho), a vida rural fluminense (O Tronco do Ipê), O Planalto Paulista (Til) e o Nordeste (O Sertanejo). Como no caso do romance histórico, não é a realidade, a verdade em si, que atrai o romancista, e sim o tema.
Teatro: O Demônio familiar, Verso e Reverso, As Asas de um Anjo, Mãe, O Jesuíta.
Crítica, polêmica, publicista: Cartas sobre a Confederação dos Tamaios; Ao Imperador; Cartas Políticas de Éramos e Ao Imperador, Novas Cartas Políticas de Erasmo; Ao Povo; O juízo de Deus; A Visão de Jó, o Sistema Representativo.
Observe o comentário abaixo, feito estudiosos, indianismo em José de Alencar.


    “Já nas críticas à Confederação do Tamoios, de Gonçalves de Magalhães, se podem avaliar as sementes ideológicas e estéticas do indianismo que Alencar em pouco tempo faria surgir em seu O Guarani; o índio brasileiro tivera até então um tratamento exótico, resultado de uma incipiente preocupação em torná-lo curiosidade literária, dentro ainda das intenções pouco dedicadas da ideologia do “bom selvagem”. De há muito, tentavam os espíritos nacionais criar uma verdadeira epopéia, que, sem fugir a certos cânones clássicos (heroicidade, patriotismo, civilização cristã), fosse um símbolo da autonomia americana e mesmo afirmação nacional no reino das artes. O sentido da crítica movida por Alencar é justamente a incompetência dos escritores ligados à tradição européia e clássica, para tal mister: “A forma com que Homero cantou os gregos não serve para cantar os índios: o verso que disse as desgraças de Tróia e os combates mitológicos não podem exprimir as tristes endechas do Guanabara e as tradições selvagens da América”.
 
 







* Manuel Antônio de Almeida
                “MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS” – Um Romance de Costumes com características do Realismo. (Crônica de Costumes).
                O autor analisa o comportamento da sociedade “no tempo do rei D. João VI, coloca como protagonista o “herói pícaro” Leonardinho, filho de Leonardo Pataca e Maria das Hortaliças. A vida do Leonardinho desde o nascimento até a idade adulta quando se torna Sargento de milícias. “Leonardo é o primeiro grande malandro que entra na novelística brasileira, vindo de uma tradição.
Vê-se a classe pobre do Rio de Janeiro na época de D. João VI, fato diferenciador dos outros românticos que exibiram as camadas mais abastadas.
O livro é formado de vários episódios quase independentes, a unidade é conseguida pela presença do herói Leonardo em várias etapas de sua vida: a infância e as diabruras, a adolescência e os casos amorosos, e a fase adulta com o peso e a responsabilidade.
O romance funciona como documento de uma época que o autor descreve com “malícia, humor e sátira”. À medida que exibe o ambiente carioca faz julgamentos.
O esquema romântico é rompida logo no modelo de herói: Leonardinho é um anti-herói ou um herói picaresco. À margem da sociedade parece, vê-la melhor. Ao esgotar todos os caminhos da aventura picaresca só lhe resta o emprego de soldado, o casamento com Luisinha (seu primeiro amor) e depois o posto de sargento. (Eis a guinada romântica, o triunfo do bem, o fim das peripécias) O estilo frouxo, a linguagem descuidada o final feliz também alimentam a guinada romântica. Por estes fatos alguns estudiosos condenam a percepção de escritor pré-Realista dada ao autor de memórias de um Sargento de Milícias.
Costumes sociais, crítica irônica dos costumes morais são exibidos ao mesmo tempo que as aventuras de Leonardo também acontecem, e apesar disso bem como de o povo entrar como personagem a guinada continua romântica.
Observe os nomes e alguns personagens romance:

Veja, agora, o que alguns estudiosos, escritores e críticos literários dizem sobre o romance:
a)       Novela de tom humorístico que faz crônica de costumes do Rio Colonial, na época de D. João VI.
b)       Não há idealização das personagens, graças à observação direta e objetiva. Presença das  camadas inferiores da população – (barbeiros, comadres, parteiras, meirinhos, “saloias”, designados pela ocupação que exercem). Rompe a tensão BEM x MAL, HERÓI x VILÃO, típica do Romantismo. Os personagens não são heróis nem vilões, praticam o bem e o mal, impulsionados pelas necessidades de sobrevivência (a fome, a ascensão social).
c)       LEONARDO PATACA é o PRIMEIRO MALANDRO da Literatura Brasileira. Apontado por Mário de Andrade como PERSONAGEM PICARESCO (bufão, mau-caráter). A crítica mais recente (Antônio Cândido, A Dialética da Malandragem) vem modificando essa visão inserindo o Leonardo Pataca na dialética “ordem” X  “desordem”, e no desmascaramento das mazelas de uma sociedade caracterizada pela risonha hipocrisia, pela acomodação através do jeitinho, pelo empreguismo e favorecimentos ilícitos.
d)       O realismo de Manuel Antônio de Almeida não se esgota nas linhas meio caricaturais com que define uma variada galeria de tipos populares. Seu valor reside principalmente em ter captado, pelo fluxo narrativo, uma das marcas  da vida na pobreza que é a perpétua sujeição à necessidade, sentida de modo fatalista como o destino de cada um. O esforço para driblar as condições adversas e a avidez em gozar os intervalos de boa sorte impelem as personagens, principalmente o anti-herói LEONARDO, “filho de uma pisadela e de um beliscão”, para a roda-viva de mentiras em busca de emprego, entremeadas com farras e aventuras, que dão motivo ao romancista para fazer entrar em cena tipos e costumes do Rio Colonial. (A. BOSI).
e)       É obra precursora do Realismo? Não. Apesar da imparcialidade do narrador, da fidelidade ao real, Memórias de um Sargento de Milícias nada tem a ver com o Realismo de Machado ou Aluísio. É um realismo espontâneo, arcaico, sem o estofo científico-positivista da segunda metade do século XIX.
f)        As Memórias reportam-se a uma fase em que se esboçava uma estrutura não mais puramente colonial, mas inda longe do quadro industrial-burguês. E, como autor conviveu de fato com o povo, o espelhamento foi distorcido apenas pelo ângulo da comicidade, que é, de longa data, o viés pelo qual o artista vê o típico, e sobretudo o típico popular. (A BOSI).


O teatro romântico

Luis Carlos Martins Pena (RJ, 1815 –Lisboa 1848)

                Em 1833, foi criada a primeira companhia teatral brasileira, a Companhia Dramática Nacional por João Caetano.
                Muitos escritores já haviam se dedicado ao teatro, mas a dramaturgia ganhou impulso com o florescimento da comédia nacional de Martins Pena.
                Pena iniciou seu trabalho satirizando os costumes da roça (Veja o juiz de Paz na roça). Com sua ironia atingiu apenas pequenos proprietários. O riso, ele o consegue pondo em evidência hábitos curiosos do meio rural. O juiz de Paz é um corrupto, tira proveito das causas que julga.
Os costumes urbanos também fazem parte do trabalho do talentoso Martins Pena que focalizou o dia-a-dia – principalmente da classe média –no Rio de Janeiro: a constituição familiar, o casamento por interesse, contrabandistas, conflitos de gerações, negociantes, o funcionário público, as formas de ascensão social, escravos, traficantes.
Construiu tipos humanos caricaturizando-os e não aprofundando sua psicologia ou denunciando o caráter. Suas peças obedecem aos esquemas românticos de finais felizes e punições exemplares para os maus. São curtas, mas bastante movimentadas:
A linguagem é simples, viva e fluida. Queria o riso da platéia, a simpatia e a cumplicidade, enfim um admirável observador da vida do nosso país na 1ª metade do século XIX. Talentos e galhofeiro.

Obras

Comédias: O Juiz de Paz na Roça; Um Sertanejo na Corte; A Família e a festa da roça; Os dois ou O Inglês Maquinista; O Judas em sábado de Aleluia; O Noviço; O Cigano; O Caixeiro da Taverna; As Casadas Solteiras; Quem casa, quer casa;

Drama: Fernando ou O Cinto Acusador.

Crítica Teatral
(Folhetins, Semana lírica)
Fragmento de uma peça de
Martins Pena




A peça Os dois ou O inglês maquinista, de Martins Pena, é uma comédia em uma to que se passa no Rio de Janeiro de 1842. A cena transcrita a seguir envolve as seguintes personagens: Clemência, Mariquinha (filha de Clemência), Felício (sobrinho de Clemência), Negreiro (negociante de escravos) e júlia (outra filha de Clemência).

Os dois ou O inglês maquinista

Clemência, Negreiro, Mariquinha, Felício. Ao levantar o pano, ver-se à Clemência e Mariquinha sentadas no sofá; em uma cadeira junto destas Negreiro e, recostado sobre a mesa, Felício, que lê o Jornal do Comércio e levanta às vezes os olhos, como observando a Negreiros.
 
 









Clemência: Muito custa viver-se no Rio de Janeiro! É tudo tão caro!
Negreiro: Mas o que quer a senhora em suma? Os direitos são tão sobrecarregados! Veja só os gêneros de primeira necessidade. Quanto pagam? O vinho, por exemplo, cinqüenta por cento!
Clemência: Boto as mãos na cabeça todas as vezes que recebo as contas do armazém e da loja de fazendas.
Negreiro: Porém as mais puxadinhas são as das modistas, não é assim?
Clemência: Nisto não se fala! Na última que recebi vieram dois vestidos que já tinha pago, um que não tinha mandado fazer, e uma quantidade tal de linhas, colchetes, cadarços e retroses, que fazia horror.
Felício: (largando o jornal sobre a mesa com impaciência): Irra, já aborrece!
Clemência: O que é?
Felício: Todas as vezes que pego neste jornal...
Clemência: Por mim se não fossem os folhetins, não lia o jornal. O último era bem bonito; o senhor não leu?
Negreiro: Eu? Nada. Não gasto meu tempo com essas ninharias, que são só boas para as moças.
Voz na rua: Manuê1 quentinho!
(Entra Júlia pela direita, correndo).
Clemência: Aonde vai, aonde vai?
Júlia: (parando no meio da sala): Vou chamar o preto dos manuês.
Clemência: E pra isso precisa correr? Vá, mas não caia. (Júlia vai para a janela e chama para a rua dando psius).
Negreiro: A pecurrucha gosta dos doces.
Júlia: (da janela): Sim, aí mesmo. (Saí da janela e vai para a porta, aonde momentos depois chega um preto com um tabuleiro com manuês, e, descasando-o no chão, vende-os a Júlia. Os demais continuam a conversar.)
Felício: Sr. Negreiro, a quem pertence o brigue Veloz Espadarte, aprisionado ontem junto quase da Fortaleza de Santa Cruz pelo cruzeiro inglês, por ter a seu bordo trezentos africanos?
Negreiro: A um pobre diabo que está quase maluco... Mas é bem feito, para não ser tolo. Quem é que neste tempo manda entrar pela barra um navio com semelhante carregação? Só um pedaço de asno. Há por aí além uma costa tão longa e algumas autoridades tão condescendentes!...
Felício: Condescendentes porque se esquecem de seu dever!
Negreiro: Dever? Perdoe que lhe diga: ainda está muito moço... Ora, suponha que chega navio carregado de africanos e deriva em uma dessas praias, e que o capitão vai dar disso parte ao juiz do lugar. O que há de este fazer, se for homem cordato e de juízo?



Leia Mais


Selecionamos a seguir alguns comentários e fragmentos de obras. Sinta-se estimulado a uma leitura completa destas obras. Esta seleção tem por fonte o trabalho da doutora Samira Youssef Campedelli.
 
 









Senhora

                Senhora, obra-prima de Alencar ao lado de Iracema, narra em terceira pessoa a história de Aurélia Camargo, que vive com sua mãe viúva e um irmão num subúrbio do Rio de Janeiro.
Aurélia apaixona-se por Fernando Seixas e este por ela, de modo que contratam casamento. Seixas, porém, abandona-a por outra mulher por dinheiro. Uma herança inesperada beneficia Aurélia, propiciando-lhe a oportunidade de reconquistar o seu amor.
Aurélia, que ainda não tem 21 anos, incumbe Lemos, seu tio e tutor, de propor a Seixas um casamento com uma moça de grande dote, contra-recibo. Impõe, no entanto, que ele aceite a proposta sem conhecer a identidade da noiva. Seixas, endividado, aceita. Ao saber que a noiva é Aurélia, fica enormemente feliz. Mas, na noite de núpcias, Aurélia lhe revela a verdade: “eu, uma mulher traída; o senhor, um homem vendido” e, mostrando-lhe o recibo, expulsa-o do quarto.
A partir daí, o relacionamento entre eles se torna hipócrita. Diante de estranhos, representam um casal perfeito. A sós, Aurélia o trata como se fosse sua propriedade e Seixas aceita-se como tal até que, um pouco pelo trabalho, um pouco por sorte, consegue juntar o dinheiro que deve a Aurélia, ficando, assim, resgatado.
Depois disso, os dois jogam-se nos braços um do outro, vivendo felizes para sempre.
O livro se divide em quatro partes: “Preço”, “Quitação”, “Posse” e “Resgate”.
Cada uma destas partes recebeu um nome estritamente comercial, o que nos remete ao problema centra, mola propulsora da obra: o casamento por interesse.
Vejamos agora as chamadas ações secundárias ou satélites, que gravitam em torno da ação central. Vamos reconstituir a 1ª parte, “Preço”. Nesta parte, a jovem Aurélia confabula com o seu tio e tutor Lemos: discute o casamento da jovem Adelaide Amaral com o Dr. Torquato Ribeiro. Essa discussão tem uma finalidade: a jovem Adelaide e Aurélia disputavam o amor de Seixas. Casando-a com o Dr. Torquato Ribeiro, Seixas ficaria livre. O único empecilho para a não-realização da união Adelaide-Torquato era a pobreza deste, coisa que Aurélia resolveria oferecendo um dote ao moço.
Num esquema, teríamos o seguinte:


A
D
EL
A
I
D
E
 

AURÉLIA
 

FERNANDO
 
 






Texto – 1

                Seixas ajoelhou-se aos pés da noiva, tomou-lhe as mãos que ela não retirava; e modulou o seu canto de amor, essa ode sublime do coração que só as mulheres entendem, como somente as mães percebem o balbuciar dos filhos.
                A moça com o talhe languidamente recostado no espaldar da cadeira,  a fronte reclinada, os olhos coalhados em uma ternura maviosa, escutava as falas de seu marido; toda ela de embebia dos eflúvios de amor, de que ele a repassava com a palavra ardente, o olhar rendido, e o gesto apaixonado.
                – É então verdade que me ama?
                – Pois duvida, Aurélia?
                – E amou-me sempre, desde o primeiro dia que nos vimos?
                – Não lho disse já?
                – Então nunca amou a outra?
                – Eu lhe juro, Aurélia. Estes lábios nunca tocaram a face de outra mulher, que não fosse minha mãe. O meu primeiro beijo de amor, guardei-o para minha esposa, para ti...
                Soerguendo-se para alcançar-lhe a face, não viu Seixas a súbita mutação que se havia operado na fisionomia de sua noiva.
                Aurélia estava lívida, e a sua beleza, radiante há pouco, se marmorizara.
                – Ou para outra mais rica!... disse ela retraindo-se para fugir ao beijo do marido, e afastando-o com a ponta dos dedos.
                A voz da moça tomara o timbre cristalino, eco da rispidez e aspereza do sentimento que lhe sublevava o seio, e que parecia ringir-lhe nos lábios como aço.
                – Aurélia! Que significa isto?
– Representamos uma comédia, na qual ambos desempenhamos o nosso papel com perícia consumada. Podemos ter este orgulho, que os melhores atores não nos excederiam. Mas é tempo de pôr termo a esta cruel mistificação, com que nos estamos escarnecendo mutuamente, senhor. Entremos na realidade por mais triste que ela seja; e resigne-se cada um ao que é; eu, uma mulher traída; o senhor, um homem vendido.
– Vendido! Exclamou Seixas ferido dentro d’alma.
– Vendido sim: não tem outro nome. Sou rica, muito rica, sou milionária, precisava de um marido, traste indispensável às mulheres honestas. O senhor estava no mercado; comprei-o, custou-me cem contos de réis, foi barato; não se fez valer. Eu daria o dobro, o triplo, toda a minha riqueza por este momento.
Aurélia proferiu estas palavras desdobrando um papel, no qual Seixas reconheceu a obrigação por ele passada ao Lemos.
Não se pode exprimir o sarcasmo que salpicava dos lábios da moça; nem a indignação que vazava dessa alma profundamente revolta, no olhar implacável com que ela flagelava o semblante do marido.
Seixas, trespassado pelo cruel insulto, arremessado do êxtase da felicidade a esse abismo de humilhação, a princípio ficara atônito. Depois quando os assomos da irritação vinham, sublevando-lhe a alma, recalcou-os esse poderoso sentimento do respeito à mulher que raro abandona o homem de fina educação.
Penetrado da impossibilidade de retribuir o ultraje à senhora a quem havia amado, escutava imóvel, cogitando no que lhe cumpria fazer; se matá-la a ela, matar-se a si, ou matar a ambos.
Aurélia como se lhe adivinhasse o pensamento esteve por algum tempo afrontando-o com inexorável desprezo.
– Agora, meu marido, se quer saber a razão por que o comprei de preferência a qualquer outro, vou dizê-la; e peço que não me interrompa. Deixe-me vazar o que tenho dentro desta alma, e que há um ano a está amargurando e consumindo.
A moça apontou a Seixas uma cadeira próxima.
– Sente-se, meu marido.
Com que tom acerbo e excruciante lançou a moça esta frase “meu marido”, que nos seus lábios ríspidos acerava-se como um dardo ervado de cáustica ironia.
Seixas sentou-se.
Dominava-o a estranha fascinação dessa mulher, e ainda mais a situação incrível a que fora arrastado.

Alencar, J. de. Senhora. São Paulo, Ática, 1982.


O GUARANI

     Geralmente enfocados em cenários selvagens, os heróis indígenas de José de Alencar emergem como elementos da natureza, enfatizam a cor local e são símbolos de um passado histórico idealizado e glorioso. O Guarani é exemplo cabal dessa visão em que o sentimento nativista e a valorização do índio ganham os tons da idealização e do exagero, principalmente quanto às características físicas e morais do índio, um herói sem vacilações.
     O herói do romance é o índio Peri, protótipo de perfeições: ele é belo, forte, jovem e valente. É o que se pode notar no fragmento abaixo.
 
 
















Texto – 2

A Caçada

(...)Era uma onça enorme; de garras apoiadas sobre um grosso ramo de árvore, e pés suspensos no galho superior, encolhia o corpo, preparando o salto gigantesco.
Batia os flancos com a larga cauda, e movia a cabeça monstruosa, como procurando uma abertura entre a folhagem para arremessar o pulo; uma espécie de riso sardônico e feroz contraía-lhe as negras mandíbulas, e mostrava a linha de dentes amarelos; as ventas dilatadas aspiravam fortemente e pareciam deleitar-se já com o odor do sangue da vítima.
O índio, sorrindo e indolentemente encostado ao tronco seco, não perdia um só destes movimentos, e esperava o inimigo com a calma e serenidade do homem que contempla uma cena agradável: apenas a fixidade do olhar revelava um pensamento de defesa.
Assim, durante um curto instante, a fera selvagem mediram-se mutuamente, com os olhos nos olhos um do outro, depois o tigre agachou-se, e ia formar o salto, quando a cavalgata apareceu na entrada da clareira.
Então o animal, lançando ao redor um olhar injetado de sangue, eriçou o pêlo, e ficou imóvel no mesmo lugar, hesitando se devia arriscar o ataque.
O índio que ao movimento da onça acurvara ligeiramente os joelhos e apertara o forcado, endireitou-se de novo; sem deixar a sua posição, nem tirar os olhos do animal, viu a banda que parara à sua direita.
Estendeu o braço e fez com a mão um gesto de rei, que rei das florestas ele era, intimado aos cavaleiros que continuassem a sua marcha.
Como, porém, o italiano, com o arcabuz em face, procurasse fazer a portaria entre as folhas, o índio bateu com o pé no chão em sinal de impaciência, e exclamou apontando para o tigre, e levando a mão ao peito:
– É meu!... meu só! (...)
Alencar, J. de. O guarani. São Paulo, Ática, 1974.


IRACEMA

                Machado de Assis referia-se a Iracema como um “poema em prosa”, em vista do extraordinário trabalho com a linguagem que contém.
Em capítulos curtos, superpõem-se imagens e comparações de cunho poético para sugerir o nascimento de um mundo – tema do romance.
Desenvolve-se no livro a lenda da fundação do Ceará e a história de amor entre Iracema e Martim: ela índia, ele português. Iracema, guardadora dos segredos de Jurema, faz um voto de castidade que quebra ao tornar-se esposa de Martim. Abandona a sua tribo e segue com ele, dando a luz a um filho – Moacir – símbolo do homem brasileiro miscigenado.
Martim tem que partir para Portugal por um longo tempo. Quando regressa, encontra Iracema à morte. Enterra-a ao pé de uma palmeira e retorna a Portugal, levando consigo o filho.
Leia o primeiro capítulo, onde se pode detectar o trabalho com a linguagem em seu nível poético.
A seguir, leia o capítulo II, em que Iracema e Martim se encontram.
 
 












Texto – 3

Capítulo I

Verdes mares bravios de minha terra natal, onde canta a jandaia nas frondes da carnaúba;
Verdes mares que brilhais como líquida esmeralda aos raios do sol nascente, perlongando as alvas praias ensombradas de coqueiros;
Serenai, verdes mares, e alisai docemente a vaga impetuosa para que o barco aventureiro manso resvale à flor das águas.
Onde vai a afoita jangada, que deixa rápida a costa cearence, aberta ao fresco terral a grande vela?
Onde vai como branca alcione buscando o rochedo pátrio nas solidões do oceano?
Três entes respiram sobre o frágil lenho que vai singrando veloce, mar em fora.
Um jovem guerreiro cuja tez branca não cora o sangue americano; uma criança e um rafeiro que viram a luz no berço das florestas e brincam irmãos, filhos ambos da mesma terra selvagem.
A lufada intermitente traz da praia um eco vibrante, que ressoa entre o marulho das vagas:
– Iracema!
O moço guerreiro, encostado ao mastro, leva aos olhos presos na sombra fugitiva da terra; a espaços o olhar empanado por tênue lágrima cai sobre o jirau, onde folgam as duas inocentes criaturas companheiras de seu infortúnio.
Nesse momento o lábio arranca d’alma um agro sorriso.
Que deixara ele na terra do exílio?
Uma história que me contaram nas lindas várzeas onde nasci, à calada da noite, quando a lua passeava no céu argenteando os campos, e a brisa rugitava nos palmares.
Refresca o vento.
O rulo das vagas precipita. O barco salta sobre as ondas e desaparece no horizonte. Abre-se a imensidade dos mares, e a borrasca enverga, como o condor, as foscas asas sobre o abismo.
(...)
Deus te leve a salvo, brioso e altivo barco, por entre as vagas revoltas, e te poje nalguma enseada amiga! Soprem para ti as brandas auras, e para ti jaspeiei a bonança mares de leite!
Enquanto vogas assim à discrição do vento, airoso barco, volva às brancas areais da saudade que te acompanha, mas não se parte da terra onde revoa.


Capítulo II


      Além, muito além
daquela serra, que ain-
da azula no horizonte,
nasceu Iracema.
Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira.
O favo da jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha rescendia no bosque como seu hábito perfumado.
Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas.
Um dia, ao pino do sol, ela repousava em uma claro da floresta. Banhava-lhe o corpo a sombra da oiticida, mais fresca do que o orvalho da noite. Os ramos da acácia silvestre esparziam flores sobre os úmidos cabelos. Escondidos na folhagem, os pássaros ameigavam o canto.
Iracema saiu do banho; o aljôfar d’água ainda a roreja, como à doce mangaba que corou em manhã de chuva. Enquanto repousa, empluma das penas do gará as flechas do seu arco: e concerta com o sabiá da mata, pousado no galho próximo, o canto agreste.
A graciosa ará, sua companheira e amiga, brinca junto dela. Às vezes sobe os ramos da árvore e de lá chama a virgem pelo nome; outras, remexe o uru de palha matizada, onde traz a selvagem seus perfumes, os alvos fios do crautá, as agulhas da juçara com que tece a renda, e as tintas de que matiza o algodão.
Rumor suspeito quebra a doce harmonia da sesta. Ergue a virgem os olhos, que o sol não deslumbra; sua vista perturba-se.
Diante dela e todo a contemplá-la, está um guerreiro estranho, se é guerreiro e não algum mau espírito da floresta. Tem nas faces o branco das areias que bordam o mar, nos olhos o azul triste das águas profundas. Ignotas armas e tecidos ignotos cobrem-lhe o corpo.
Foi rápido, como o olhar, o gesto de Iracema. A flecha embebida no arco partiu. Gotas de sangue borbulham na face do desconhecido.
De primeiro ímpeto, a mão lesta caiu sobre a cruz da espada; mas logo sorriu. O moço guerreiro aprendeu na religião de sua mãe, onde a mulher é símbolo de ternura e amor. Sofreu mais d’alma que da ferida.
O sentimento que ele pôs nos olhos e no rosto, não sei eu. Porém a virgem lançou de si o arco e a uiraçaba, e correu para o guerreiro, sentida da mágoa que causara. A mão que rápida ferira, estancou mais rápida e compassiva o sangue que gotejava. Depois Iracema quebrou a flecha homicida; deu a haste ao desconhecido, guardando consigo a ponta farpada.
O guerreiro falou:
– Quebras comigo a flecha da paz?
– quem te ensinou, guerreiro branco, a linguagem de meus irmãos? Donde vieste a estas matas, que nunca viram outro guerreiro como tu?
– Venho de bem longe, filha das florestas. Venho das terras que teus irmãos já possuíram, e hoje têm os meus.

– Bem-vindo seja o estrangeiro aos campos dos tabajaras, senhores das aldeias, à cabana de Araquém, pai de Iracema.